13/10/2014

Depois de viajar pela Europa sem dinheiro, brasileira percorre o brasil pedindo carona com seu cão

Sem nenhum dinheiro no bolso – nem cartão de crédito para emergências - a aventura da artista plástica brasileira Aline Campbell de 24 anos começou ao decidir viajar por três meses na Europa sem gastar nada. Repetindo – ela não partiu com pouco dinheiro, e sim sem nenhum dinheiro. Fora o gasto prévio com as passagens aéreas de ida e volta, ela não desembolsou nada com transporte, hospedagem ou comida. A intenção não era de economizar dinheiro, e sim criar um poderoso projeto sobre o poder das relações interpessoais, que ganhou o nome de Portas Abertas (Open Doors) e canal no youtube. Ela viajou com uma pequena mochila com sete peças de roupa, pegou 54 caronas e dormiu em 38 casas diferentes. Nunca tinha ido aos países por onde passou e não conhecia ninguém na maioria deles. Usou muito Counchsurfing e confiou na sua intuição: “você sente se a pessoa está mal intencionada ou não com você”, afirma.

Segundo Aline, “A partir do momento em que você se permite abrir para o mundo, sua vida se torna mais rica de conhecimento e aprendizado.” No vídeo abaixo, ela conta como foi a experiência e mostra um pouca da sua aventura pela Europa:

“Queria mostrar que quando você confia no mundo, nas pessoas, na bondade, o bem vem”, afirma Aline.

"Cheguei muitas vezes em uma cidade sem conhecer ninguém e sem lugar para ficar", conta.

 

Após os três meses de trajeto, ela chegou à conclusão de que viajar sem dinheiro é "mais fácil do que parece". “Fiquei muito feliz com tudo. A maioria das coisas eu consegui sem pedir.”

A viagem de Aline terminou no fim de setembro, mas já deu início a um novo rumo: viajar pelo Brasil na companhia de seu fiel cachorro, Saga. A ideia é continuar a vida de caronas, hospedagem barata ou até mesmo gratuita e sustentar a si mesma com troca de serviços. Por cada lugar que passa, Aline faz questão de deixar uma lembrança artística, de criação própria, para quem a recebe. A jornada começou no início de 2014 no Rio de Janeiro, terra natal de Aline, mas já passou pelo sul, sudeste e centro-oeste do país.

Os pais e familiares de Aline, que no início ficaram preocupados com sua forma de viajar, hoje já estão mais acostumados.“Foi a mesma reação de todo mundo que eu encontrei no caminho: acharam que eu estava louca, que não era seguro, que não era possível. Mas hoje eles viram que dá certo. Desde que você confie e acredite”, afirma.

Confira as fotos abaixo e se apaixone por essa aventura:

Fontes: via & via